ADJ Comunicação

Jornalismo e opinião: todo mundo vê!

“Quebra-quebra no Terminal é coisa do Joaquim e do Ceará”

Posted by Armando em 23/07/2009

Repressão da PM no final dos anos 80 marcou o quebra-quebra no Terminal de Londrina

Repressão da PM no final dos anos 80 marcou o quebra-quebra no Terminal de Londrina

O transporte coletivo de Londrina já foi alvo de inúmeras greves dos trabalhadores do setor e de protestos de estudantes da UEL (Universidade Estadual de Londrina), estudantes secundaristas e usuários em geral. Em meados do segundo semestre de 1989,  estudantes iniciaram um movimento de “pula catraca”, como forma de criticar o preço da tarifa de ônibus.

Essa prática tomou corpo ao longo de dias, culminando com a organização de protestos no Terminal Urbano, reunindo estudantes e trabalhadores. A PM (Polícia Militar) também estava lá, já acostumada a reprimir mobilizações desse tipo, que à época eram comuns, como as Greves Gerais convocadas pela CUT (Central Única dos Trabalhadores), greves de bancários, construção civil e de outros segmentos, todos tratados com as técnicas herdadas de Ditadura.

No primeiro dia, a manifestação ocorreu normalmente, registrando apenas um ou outro empurrão. No segundo dia do protesto, o movimento pela redução da tarifa de ônibus tomou corpo. Antes mesmo de começar o confronto entre a PM e os manifestantes, que se tornaria numa batalha campal, um dos comandantes da operação militar comentou com seu colega: “isso é coisa do Joaquim e do Ceará…”. Foi pura estigma. Os dois dirigentes bancários se encontravam naquele dia em Curitiba, cumprindo uma agenda sindical.

 Ceará (Geraldo Fausto dos Santos), ex-presidente do Sindicato dos Bancários de Londrina, lembra que ao retornar da capital, durante aquela noite, chegou a ser detido por policiais quando procurava por um sobrinho nas imediações. Um pouco antes, por volta das 20h00, o Terminal Urbano foi depredado e incediado, a Avenida Leste-oeste foi palco de uma batalha, com pedras, balas de borracha e até bombas de gás lacrimogêneo, deixando um saldo de várias pessoas presas e algumas feridas. “Eles me levaram para o Detran, alegando que eu estava praticando direção perigosa. Como não tinham prova nenhuma disso e nem mesmo da minha participação no protesto, me liberaram depois”, recorda Ceará.

Para ele, os nervos dos manifestantes foram acirrados naquela noite de confrontos em frente ao Terminal de ônibus em função da forma como a PM agiu. “Ninguém foi lá para tumultuar. Naquela época, os policiais jogavam os camburões pra cima da gente para intimidar, como sempre ocorria nas greves dos bancários e demais mobilizações realizadas na cidade”, explica Ceará, acrescentando que seu nome e do companheiro Joaquim eram constantemente ligados a fatos desse tipo, mesmo se ambos não estivessem envolvidos com eles ou se encontrassem fora da cidade, como foi na noite do quebra-quebra do Terminal.

Anúncios

Uma resposta to ““Quebra-quebra no Terminal é coisa do Joaquim e do Ceará””

  1. enio said

    Meu caro Armando foi com imensa surpresa que tive conhecimento deste teu site. E mais comovido fiquei com seus textos em homenagem ao Joaquim que, infelizmente, fiquei sabendo por ti faleceu e ainda bem novo. Tenho imensas e saudosas recordações da Londrina da década de 80 onde, como jornalista e assessor de imprensa do Sindicato dos Bancários, acho que na época o único filiado à CUT na região, pude estar presente nas lutas da categoria e testemunhado a determinação e a coragem do Joaquim em enfrentar a truculência da Polícia Militar e a arrogância dos banqueiros. Além dele é preciso destacar os valorosos diretores que você me trouxe à memória como o Ceará, Toninho, Joãonzinho e a Odete. Mande um enorme abraço para os colegas Osmani e Ganchão.Eu fui um dos apelidados pelo Joaquim, me chamava de sapo boi, pela voz grossa que carregava na época e que com o tempo foi ficando mais contida, porém, sem perder a ternura, jamais. gde.ab.

    ADJ.: é com muita satisfação que recebo sua visita ao meu Blog, amigo Enio. Comecei com você no VIDA BANCÁRIA há mais de 22 anos e ainda estou por lá. Senti muito também a morte do Joaquim, sindicalista de caráter e um verdadeiro comandante de homens, num período em que fazer greve era proibido. Se tiver alguma passagem valoroso “companheiro” Joaquim , por favor me envie para que possamos compartilhar com as novas gerações as belas experiências de vida que tivemos naquela época.
    Um grande abraço!

    Armando

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: